Regojo reorienta actividade para produção de máscaras reutilizáveis

Regojo reorienta parte da capacidade fabril para a produção de máscaras sociais reutilizáveis

A Confeções Regojo Velasco, SA, empresa de confeção e comercialização de vestuário iniciou a produção de máscaras sociais (ou comunitárias) reutilizáveis em pano de algodão. A decisão de iniciar a confeção destas máscaras foi tomada depois de constatada a falta das tradicionais máscaras de proteção individual.

Na sequência das recentes recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) e da Direção Geral de Saúde (DGS), “percebemos que tínhamos as condições e afetámos parte da nossa capacidade fabril à produção de máscaras de uso social, não-cirúrgicas, de Nível 3”, por um lado e, por outro, era uma forma de manter a atividade da empresa durante este período de estado de emergência”.

De notar que estas máscaras (máscaras sociais ou comunitárias, reutilizáveis) não são considerados equipamentos de proteção individual (EPI) mas permitem uma boa proteção no dia a dia das pessoas e das comunidades, reduzindo o impacto negativo na procura dos EPIs profissionais que, nesta fase, devem ser destinados exclusivamente aos profissionais de saúde e de socorro.

Acresce que, sendo reutilizáveis, oferecem um benefício económico para as pessoas e um menor impacto no ambiente.

Sobre o Grupo Regojo

O Grupo Regojo iniciou a sua atividade em 1919, com a marca “camisas Regojo”, inteiramente dedicada à confeção de camisas de homem. A sua actividade desenvolveu-se depois a outras atividade do sector têxtil e da confecção, como por exemplo a confeção de artigos de roupa para senhora e homem. Independentemente de tudo o resto, desde sempre que o Grupo aposta nos mais altos standards de confeção, acabamento e fitting.

Sobre as máscaras regojo

As máscaras da Regojo são fabricadas com padrões de elevada qualidade. São compostas por três camadas de algodão, que somadas ultrapassam os 150 g/m2 recomendado pelas especificações técnicas para as Máscaras de nível 3 do IPQ e as S76-001 da AFNOR.

  1. Camada exterior: Popelina 100% Algodão, tinto em fio de 120/2 X 120/2 (dupla torsão na teia e trama) com 110 g/m2.
  2. Camada interior: Dobby 100 % Algodão, tinto em fio sem tingimento, de 105 g/m2.
  3. Camada interior: Popelina 100 % Algodão, tinto em fio de 80/1 X 80/1 (fios compactos na teia e trama) com 76 g/m2.

Consultar a ficha do produto

3 comentários em “Regojo reorienta actividade para produção de máscaras reutilizáveis”

  1. Boa tarde,
    Gostaria de saber por que razão estas máscaras não constam na lista do CITEVE? As características das mesmas parecem ser equivalentes às máscaras certificadas nível 3… O que falta para a certificação? Aguardo esclarecimento. Obrigada. Maria Archer.

    Responder

Deixe um comentário