Rejoice in the center of Braga

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

António A. Ferreira
EXPRESSO Economia

O Liberdade Street Fashion, do grupo Regojo, vai contribuir para rejuvenescer o centro de Braga, com comércio e habitação.

Misturar comércio de rua com centro comercial e obter o melhor dos dois mundos é a fórmula consagrada no Liberdade Stree Fashion(LSF), um projecto de uso misto (60% de lojas, 30% de habitação e 10%de escritórios) que está a ajudar a rejuvenescer o centro histórico de Braga.

Inaugurado oficialmente a 24 de Novembro, o investimento do grupo Regojo, na ordem dos €38 milhões, enquadra-se na recente tendência de regresso ao comércio de portas abertas para a calçada por parte das marcas, aproveitando a progressiva apetência dos consumidores por passeios e compras na via pública. No caso da LSF, são cerca de 30 lojas (8000 metros quadrados de ABL), muitas delas insígnias internacionais, a que os transeuntes podem aceder a partir das artérias pedonais que circundam o quarteirão dos antigos CTT. Espaços com entradas independentes, mas que, por outro lado, obedecem a uma gestão comum de horários, de infraestruturas, do próprio abastecimento (pelas traseiras em corredores técnicos) e do parque subterrâneo, características que os aproximam de um centro comercial.

“Os nossos lojistas são muitos profissionalizados, o que nos distancia de um a certa imagem ultrapassada do comércio tradicional” afira João Carvalho, diretor-executivo da área imobiliária do grupo Regojo. Por outro lado, refere, “os números dizem que não afetámos as vendas dos centros comerciais”.

Esta última conclusão só é possível porque, na verdade, houve lojas do LSF que abriram mais cedo do que outras, em alguns caso há já um ano. A culpa dos atrasos é da crise, que esfumou várias perspetivas de negócio. “Alguns lojistas, até já com contratos assinados, abandonaram o seu compromisso e tivemos de recomeçar de novo, neste último ano, em relação a cerca de 30% a 40% das lojas”, revela aquele responsável.
À data da inauguração, a venda de casas – 20 habitações – estava a 50% e a componente de comércio seguia já nos 80% (além de 15% em negociação, para abrir no início de 2012).

No princípio, contudo, não era este o cenário projetado pelo grupo Regojo. “Há cerca de seis anos, a intenção era avançar só com comércio e apenas em 2000 m2, com lojas de rua e uma galeria no 1º piso do Palácio. Mas a Câmara de Braga não abdicou de fazer a reabilitação de todo o antigo quarteirão dos CTT, 6000 m2! Resultado: tivemos de adquirir o restante terreno e o projeto mudou para um plano global de requalificação de uma área nevrálgica do centro histórico de Braga”, adianta João Carvalho. E mudou também o orçamento: de 15 para €38 milhões.

Passado o “não” inicial da autarquia, as relações foram as melhores, ressalva aquele responsável, elogiando a postura “proactiva” do executivo local. “Hoje entendo perfeitamente a posição da Câmara, até porque já existem dois ou três casos de shoppings no centro da cidade a necessitarem de ser rejuvenescidos. E o que a Câmara precisava era de reabilitar, mas com habitação também, para trazer mais gente a morar nesta área. Conseguiu-se equilibrar as duas partes”, conclui, apontando o processo como um exemplo a replicar para reabilitar o comércio tradicional e os centros das cidades.

Diga-se, por fim, que a mudança introduzida pelo LSF no centro de Braga foi tão profunda que as escavadoras tocaram o que não esperavam: 350 m2 de ruínas romanas. Os achados – uma construção fúnebre e tanques “irão valorizar bastante” o edifício quando forem musealizados. Até poderem ver de pertos os vestígios do passado, bracarenses e forasteiros podem-se ir entretendo com as marcas do presente à superfície, como a dinâmica do Liberdade Street Fashion, que tem a assinatura do arquiteto Gonçalo Byrne.

Comments are closed